quarta-feira, 10 de maio de 2017

Além de Agora : um conto de Cyprien de Pwilrie (parte 14)

       

         -- Olhe! São eles, sim! – A voz risonha de Cassius nos fez suspirar de alívio. -- E veja quem também está aqui com os dois. Thierry e Aymon!
         -- Que pena! Eu não teria vindo se soubesse -- disse Nayla, em tom seco, enquanto o tecelão a ajudava nos últimos degraus. Thierry guardou a arma e ficou a fitá-la, de braços cruzados, como se aguardasse que ela fosse até ele.
         -- O que estão fazendo aqui? -- perguntou Tina, aproximando-se dos recém-chegados. -- Como descobriram que éramos nós?
         -- Bem, encontramos Sanson por acaso, e ele nos disse -- respondeu Nayla. -- Mas só falou de você e Cyprien; e como eu ia imaginar que a briga estava acontecendo na frente desses dois?
         -- Mas de que briga está falando? Quer dizer -- expliquei --, nós discutimos mesmo um pouquinho, mas como vocês sabiam disso? Não diga que é possível nos ouvir lá de baixo!
         -- Só ouvir? Nós vimos -- replicou a dançarina. -- E não só nós, mas toda a cidade. Vocês estão fazendo um belo espetáculo de sombras. Cyprien devia descer e passar o chapéu.
         -- O quê? Então todo mundo estava olhando?
         -- Estava -- confirmou Cassius, com uma risada. -- Havia uma multidão aqui em frente, a uns vinte passos, com o nariz para cima. Ouvi até um rapaz apostando que o camarada -- quer dizer, você, Cyprien -- ia acabar aos beijos com a mulher, e outro dizia que não, que ia mas é lhe dar uns tabefes. Estava muito engraçado. Ei, por que está me olhando com essa cara?
         -- Por nada -- respondi, sem conseguir juntar as ideias que me vinham como raios.
         -- Não ficou zangado, ficou? -- perguntou Nayla, tocando-me o braço. -- Nós não fomos os únicos. Muita gente estava prestando atenção.
         -- Muita gente -- repeti, procurando pensar com calma. -- Então escute: e quanto aos soldados? Eles também estavam olhando?
         -- Os soldados? Bem, alguns sim, eu acho. Por que a pergunta?
         -- Acho que começo a entender -- murmurou Aymon.
         -- Ah, é? Pois eu não -- disse Thierry. -- De que adianta saber se os soldados estavam vendo a briga?
         -- Adianta, e muito -- repliquei, sentindo a excitação tomar conta de mim. -- Cassius, como estão as coisas no patíbulo? O prisioneiro já veio? As pessoas à volta dele olharam para cá?
         -- Muitas olharam, sim. Eu vi quando passamos lá por perto. Mas ainda não tinham trazido Édobec.
         -- Cyprien, o que você está tramando? É algum plano? -- sussurrou Tina, inclinando-se para mim. - Você pensou em alguma coisa para...
         -- Sim, pensei! Para ajudar Édobec -- confirmei, e os olhos dela brilharam. -- Eu já tinha decidido fazer isso, apesar dos riscos; mas, se vocês participarem, tenho quase certeza de que vou conseguir.
         -- Claro que vai! E pode contar comigo! -- exclamou Tina. Perplexos, Nayla e o tecelão se entreolharam, enquanto Aymon sorria, sabendo que tinha sido o único a compreender meu plano. Doze anos fazendo acrobacia juntos são um meio seguro de entrar em harmonia.
        -- Por favor, pessoal -- pediu Thierry, com o cenho franzido. -- Eu estou disposto a ajudar, se não houver risco para a minha pele, mas alguém quer me explicar o que está acontecendo? Que plano é esse que Cyprien inventou na última hora?
        -- Ele quer atrair a atenção do público -- disse Aymon, já meio eufórico. -- Na hora da execução, quer estar aqui fazendo teatro de sombras, e as pessoas prestariam atenção nisso e alguém daria a poção ao Édobec.
        -- É isso, Cyprien? Parece um bom plano -- animou-se Cassius. -- Quer dizer, há perigo, mas é melhor do que simplesmente ir lá e dar a beberagem ao velho.
        -- Sim, mas quem vai fazer isso? -- perguntou Nayla. -- Aymon e eu talvez fôssemos ágeis o bastante... mas...
        -- Não. -- Essa era uma questão fechada, desde que eu decidira correr o risco. - Sou eu que vou fazê-lo, pois foi a mim que Rowenna pediu; e também sabemos que sou eu que tenho mais chances. O teatro deve ser feito por vocês... Isto é, por um de vocês, que deve ficar aqui em cima com Tina.
        Dizendo isso, eu apertava os lábios, pois não me agradava nem um pouco a ideia de outro rapaz com a minha namorada. Por sua vez, eles também não ficaram à vontade, e o constrangimento aumentou ainda mais depois das palavras de Nayla.
      -- Uma briga não vai prender a atenção por muito tempo. -- Parou, como se hesitasse em dizer o que estava pensando. -- Lá embaixo, as pessoas estavam apostando que ia haver outro tipo de coisa, e... Bom... Vocês devem saber ao que estou me referindo.
      -- Mas é claro! Abraços e carinhos e coisas assim -- riu Thierry. -- E se ela tirar a roupa...
        -- O quê? Está louco? -- protestou Tina, em tom exaltado. -- Como é que eu vou ficar nua na frente de um de vocês?
       -- E não gostei dos “abraços e carinhos” -- disse eu.
       -- Ora, seria só um fingimento -- argumentou Nayla. -- Os dois se tocariam, é claro, mas não precisariam fazer nada de verdade. Na sombra, é só encostar o rosto para dar a impressão de um beijo, e a imaginação das pessoas se encarrega do resto.
        -- Imaginação, é? Então por que não fica você? -- desafiou Tina. -- Fique aqui, com um dos rapazes, e...
Parou, percebendo subitamente que o problema estava resolvido; e o mesmo pensou a maior parte de nós. Por que nos daríamos ao trabalho de fingir, quando dispúnhamos de um casal de verdade?
        -- Então, não vamos perder tempo -- disse eu, voltando a me animar. -- Nayla e Thierry ficam aqui em cima, fora do foco de luz, enquanto nós descemos. Meu plano é prevenir pessoas amigas, que estejam na praça, para que na hora façam bastante barulho, chamando a atenção para o casal aqui no sobrado. Quanto a vocês dois, vou pedir a um músico que fique por perto, para dar o sinal quando for a hora. Uns acordes da “Canção da Lua”, por exemplo. Quando vocês ouvirem, vêm para este ponto, onde eu estava com Tina, e começam o espetáculo. Bem devagar, para que haja bastante suspense. Mas lembrem-se, não devem sair do lugar onde a sombra vai ser projetada; e se ouvirem o sinal de novo, parem o que estiverem fazendo e deem o fora, certo?
       -- Certo -- sorriu Thierry.
       -- Errado -- disse Nayla, em tom cortante. Surpresos, todos nós olhamos para ela, à espera de uma explicação. Não era possível que um medo repentino a houvesse feito recuar.
        -- Não desisti, nem estou com medo -- disse ela, quando fiz a pergunta. -- Simplesmente não quero ficar aqui em cima com Thierry. Não quero mais nada com ele depois do que fez ontem à noite.
        -- Que lindo -- suspirou Thierry, com ar de enfado. -- Assim, retornamos à estaca zero. Ora, deixe de ser estúpida, garota. Enquanto você se faz de difícil, nós perdemos tempo, e talvez acabemos por não conseguir nada. Venha, vamos fazer as pazes de uma vez, e depois Cyprien e os outros vão poder ir cuidar da sua parte.
      Avançou, com a intenção evidente de abraçá-la, mas Nayla se afastou dele, recuando na direção dos lençóis. Lá fora, a multidão protestava em altos brados contra o atraso, e isso aumentou ainda mais a nossa tensão. Naquelas circunstâncias, era quase impossível não apoiar Thierry.

*****

Parte 1
Parte 13

Conheça O Jogo do Equilíbrio, novela em que Cyprien já está em outra fase da vida.

Saiba mais sobre o personagem clicando aqui.

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Além de Agora : um conto de Cyprien de Pwilrie (Parte 13)



-- Então -- começou Tina, respirando fundo --, você veio me procurar. Quem lhe disse que eu estava aqui? Rowenna?
-- Não, foi Sanson que viu você, num momento em que passava entre dois lençóis. Mas por que teria sido Rowenna? -- perguntei, e meu tom incisivo a fez hesitar por alguns instantes. Prevendo a tempestade, meus amigos se mantiveram prudentemente a distância, enquanto Tina e eu nos enfrentávamos, olhos nos olhos, ambos com os braços cruzados e o cenho franzido. Agora, eu também tinha razão para olhá-la daquele jeito, e até para esperar que me desse explicações. Por que, com tanta gente na praça, ela falara justamente em Rowenna?
-- Eu estive com ela antes de vir para cá -- disse Tina, por fim, de má vontade. -- Perguntei se vocês haviam começado, e se você tinha mudado de ideia quanto ao Édobec. Ela disse que não sabia, mas achava que não; e então eu me ofereci para ir no seu lugar. Foi isso mesmo! -- afirmou, vendo que eu a fitava com olhos de alarme. -- Eu disse que poderia dar a poção. Disse que conseguiria. Só que Rowenna... Infelizmente... Ainda preferiu esperar que você fizesse alguma coisa. E pelo jeito você nem se dignou a pensar no assunto.
Calou-se, esperando certamente que eu retrucasse, mas demorei a encontrar o que dizer. Na verdade, eu não pesara os prós e os contras durante muito tempo. Apenas soubera que não ia arriscar a pele por Édobec; e jamais teria imaginado que Tina se dispusesse a fazer isso. Ainda assim, e ainda que ela me olhasse de cima, não me senti envergonhado, pois a própria recusa de Rowenna já contava como um ponto a meu favor. Ninguém mais seria hábil o suficiente para se esgueirar junto ao patíbulo. Onde eu apenas corria riscos, Tina podia ter como certa uma sentença de prisão.
-- Rowenna não poderia mesmo aceitar -- disse eu, olhando-a de esguelha. -- Se eu tenho poucas chances, você tem ainda menos, e sabe disso muito bem. Um dia, quando a revolta passar, você vai me dar razão; e garanto que vai se sentir aliviada por nenhum de nós dois ter se envolvido nessa história.
-- É mesmo? E quem disse que eu não ia? -- Arrebatada, ela me puxou pela mão, fez com que eu me voltasse para um canto do cômodo. -- Ali está a forma como vou me envolver. Ali, bem ali, está vendo?
-- Tina -- murmurei, cautelosamente --, o que eu estou vendo é um monte de pedras.
-- Sim, e daí?
-- E daí, como? Você não está querendo dizer que...
Calei-me, sem querer acreditar em minha própria suspeita. Que ela quisesse tomar o meu lugar, ainda que soubesse as consequências, não chegava a ser um absurdo, mas atirar pedras era demais. No entanto, a evidência estava diante dos meus olhos, sem contar as palavras de Tina; e, quando compreendi que ela falava a sério, esqueci tudo que aprendera sobre como tratar as mulheres e avancei para segurá-la pelos braços. Pega de surpresa, ela soltou uma exclamação, olhou-me com um misto de espanto e de raiva enquanto procurava se libertar.
-- Cyprien, seu bandido, me largue! – rosnou, tentando se soltar com um safanão. – Pare com isso!
-- Vou parar se você me ouvir – repliquei, e não esperei pela promessa. -- Tina, você não pode -- entendeu? --, não pode atirar pedras na multidão. Isso é muito mais do que se expor a um risco. É uma completa loucura!
-- Os guardas não tardariam a vir prendê-la. -- Esse era outro lado da questão, mas Aymon estava mais do que certo. -- Mesmo com a parte dos fundos meio derrubada, você não teria como escapar, porque eles iriam cercar a casa; e você seria presa e talvez açoitada por fazer uma coisa como essa.
-- Eu sei, mas não posso fazer mais nada -- disse Tina, por entre dentes. -- E, se não tenho como ajudar o prisioneiro, ao menos vou atrapalhar o carrasco. Se eu acertar na cabeça dele...
-- Ah, é? -- retruquei, no mesmo tom. -- E se a sua pontaria falhar, o que você faz? E se você acertar outra pessoa -- Rowenna, o próprio Édobec, ou um pobre coitado qualquer que esteja lá perto por acaso? Tina -- insisti, olhando-a nos olhos. -- Escute, bela, estou falando sério. E se você acertar uma criança?
Falei, e no mesmo instante percebi que havia sido eu a acertar em cheio. Nos olhos de Tina, a raiva se dissolvera com o choque, e agora o que se via neles era algo completamente oposto. Horror de pensar em si mesma ferindo um inocente. Para ela, isso seria muito pior do que atrair os guardas.
-- Oh, Cyprien, eu não... Eu acho que não pensei! -- exclamou, e seu desamparo foi tanto que não resisti a abraçá-la. -- Meu Deus, o que eu ia fazer! O que eu estava a ponto de fazer!
-- Não se sinta culpada -- sussurrei, mas minhas próprias emoções se confundiam diante daquilo. Em meus braços, esquecida da raiva, Tina estava prestes a chorar, e eu a afagava enquanto tentava afastar a ideia louca de ajudar Édobec. Ele merecia isso de mim, nem que fosse apenas por ser o mais inocente de nós dois. Afinal, tinha roubado para comer, enquanto eu pilhava bolsas e me metia em arruaças por pura diversão. O prazer da aventura, dissera eu muitas vezes; e agora minha consciência doía, teimando em repetir que na verdade eu jamais havia me importado em arriscar meu pescoço. Por que, no momento em que tinha nas mãos a sorte de um velho, eu decidira que devia me poupar?
-- Tina, por favor, não fique assim -- pedi, no mesmo instante que cedia à voz dentro de mim. -- Escute, eu... Eu tomei uma decisão. Eu vou fazer o que Rowenna me pediu. Mesmo que me vejam...
-- O quê? Você está louco? -- protestou Thierry. -- Uma garota chora no seu ombro e você resolve bancar o herói?
-- Ele tem razão -- disse Tina, antes que eu pudesse mandá-lo a alguma parte. -- Cyprien, eu não quero que você faça uma coisa dessas por mim. Se quiser mesmo fazê-lo, que seja por Édobec, e não apenas por minha causa.
-- Será por mim mesmo -- tranquilizei-a, e as palavras seguintes vieram espontaneamente. -- Será por todos nós, do Povo Alto.
Ao ouvir isso, Tina me fitou com intensidade, depois me abraçou ainda mais forte, quase como se quisesse me reter ali. Thierry voltou a dizer que eu estava louco, e Aymon abria a boca para falar quando, inesperadamente, ouvimos os passos rápidos de alguém que subia.
No instante seguinte -- fôramos ensinados a fazer isso desde crianças -- toda a divergência entre nós passara a ser assunto para mais tarde, e três adagas faiscaram lado a lado enquanto Tina agarrava uma de suas pedras.
Talvez, afinal, ela tivesse a chance de atirá-las em alguém.

(Continua...)


*****

Parte 1
Parte 12

Conheça O Jogo do Equilíbrio, novela em que Cyprien já está em outra fase da vida.

Saiba mais sobre o personagem clicando aqui.

terça-feira, 2 de maio de 2017

Além de Agora : um conto de Cyprien de Pwilrie (Parte 12)


        -- Agora já não deve faltar muito -- comentou Pippo. -- Daqui a pouco vão trazer o prisioneiro. Eu vi o filho dele por aí, andando de um lado para o outro, com um ar de quem não tem esperança. Parece que muita gente está achando que o velho não resiste.
        Isso olhando para mim, como se soubesse da minha conversa com Rowenna; e, na verdade, bem podia ser que ele estivesse mesmo a par de tudo. Dependendo do vento, cada um de nós ouve muito bem o que se diz na casa do outro. De qualquer forma, o olhar de Pippo não me pareceu acusador, por isso imaginei que ele partilhava a opinião de meus amigos. Tina fora a única a exigir que eu me arriscasse por um velho que mal conhecia. Só assim se orgulharia de mim como se orgulhava da memória de seu pai.
        -- Ei, Cyprien! É difícil achar você, hem? -- comentou Aymon, que acabava de chegar até nós. Thierry vinha logo atrás, abrindo caminho entre cotoveladas e pedidos de desculpa. Ao longe, o rufar de tambores anunciou a chegada do Prefeito, e a multidão se alvoroçou ainda mais, comprimindo-se e esticando os pescoços na tentativa de ver o grande homem. De braços cruzados, nós também olhávamos naquela direção, embora fosse improvável que conseguíssemos enxergar alguma coisa. Quanto ao patíbulo, ainda estava vazio, exceto por dois guardas que se encarregavam de impedir que as pessoas subissem. A execução estava atrasada, como sempre. Essa era mais uma daquelas situações que só acontecem em Pwilrie.
        -- Já estamos aqui há um bom tempo -- disse Pippo. -- Onde será que puseram o velho? Vai ser ainda pior para ele se o açoitarem no calor do meio-dia.
         -- Isso devia acabar -- disse Sanson, inconformado. -- Alguém devia fazer alguma coisa.
        -- Como o quê? -- fez Thierry, olhando para mim. Cúmplice como era, o olhar continha também uma boa dose de malícia, e eu tinha acabado de franzir o cenho quando o pintor, que procurava calcular as horas pelo sol, soltou uma exclamação de surpresa.
        -- Olhe, Cyprien, é Tina! É ela que está no alto do velho sobrado!
        -- O quê!? -- exclamei, um calafrio percorrendo meu corpo da cabeça aos pés. Por trás dos lençóis, o vulto feminino tornou a passar, mas, embora eu me esforçasse ao máximo, não vi nada que me levasse a reconhecer minha namorada. Olhei para Sanson, como se pedisse uma explicação, e ele afirmou que vira claramente a mulher se deter por um instante e meter a cabeça entre dois  panos.
        -- E era Tina - disse, judiciosamente, como se minha dúvida o tivesse ofendido. -- Eu sou pintor, faço retratos, nunca me engano com uma fisionomia. Você pode ir até lá se quiser; e aposto um barril de vinho, do melhor que houver em Pwilrie, em como vai cair direitinho nos braços da sua garota.
        -- Vamos lá, Cyprien -- disse Aymon, vendo que eu parecia indeciso. -- Thierry e eu subimos com você.
        -- Isso mesmo -- disse o músico. -- Se houver qualquer problema, já vão ser três adagas para enfrentá-lo.
         -- Não é esse o tipo de problema que eu temo -- suspirei. -- Mas vamos, sim, dar uma olhada no sobrado. Se Tina não estiver lá, ao menos vai ser um bom lugar de onde ver a praça.
          -- Mas ela está, pode crer -- disse Sanson, quando já nos afastávamos, avançando a custo pela multidão de pessoas impacientes. Elas ficavam mais agitadas a cada instante.
         -- Chegamos -- disse Thierry, e nós três nos detivemos a olhar para o sobrado. Muitos anos atrás, ali tinha vivido um rico negociante, que, segundo a lenda corrente em Pwilrie, enlouquecera ao encontrar a filha única na cama com um dos aprendizes. Sua fortuna se dissipara rapidamente, e a casa passara às mãos de credores que, por alguma razão, não se interessaram em ocupar e conservar o velho sobrado. Agora, a construção tinha um aspecto sinistro, com algumas partes meio desabadas e a madeira podre, e tudo isso tornava perfeitamente compreensível o fato de ninguém ter se aventurado a subir ali. Isto é, ninguém à exceção daquela mulher, que Sanson afirmara com tanta veemência tratar-se de Tina.
         E agora tudo indicava que havia chegado a nossa vez.
         -- É melhor que Cyprien vá na frente -- disse o músico, e Aymon concordou, fosse por medo ou por não querer tocar na porta. A mim também ela causava uma certa repugnância, mas. não podendo recusar -- afinal, tratava-se da minha namorada -- acabei por dar um bom empurrão naquele bocado de tábua úmida e carcomida. Rangendo horrivelmente, a porta se abriu, deixando à vista uma sala nua e sombria, no centro da qual se destacava uma escada em formato de caracol. Com certeza era por ali que se chegava ao sobrado.
          -- E então? -- perguntou Aymon, às minhas costas. -- Acha que devemos subir?
          -- Bom, eu pelo menos vou -- respondi, e os dois não disseram nada, apenas me seguiram quando fui em frente. Era preciso cuidado, porque não havia corrimão, e a madeira ameaçava ceder a cada instante sob nossos sapatos. Imaginei os pés de Tina, calçados em sandálias baixas, pisando a sujeira incrustada nos degraus. À medida que eu subia, mais e mais me parecia improvável que ela se houvesse metido naquele antro.
          -- Tina! -- chamei, por desencargo de consciência, antes mesmo de ter chegado ao segundo andar.
           -- Sanson está maluco - disse Aymon. -- Ela não pode ter subido aqui.
           -- Ah, é? E por que não? -- replicou Tina, surgindo subitamente diante de mim. Aquilo não era totalmente inesperado, mas mesmo assim levei um susto, e o meu recuo quase fez Aymon sair rolando escada abaixo. Tina não estendeu a mão, não se mostrou solícita como seria o habitual. Também não pareceu achar graça, como Thierry e até o próprio Aymon quando conseguiu se equilibrar. Sua expressão, serena à primeira vista, deixava transparecer um estranho ar de desafio, e eu engoli em seco quando ela caminhou até perto de mim.
         Pelo jeito, eu ainda tinha o que ouvir por conta da noite anterior.

(Continua...)


*****

Parte 1
Parte 11

Conheça O Jogo do Equilíbrio, novela em que Cyprien já está em outra fase da vida.

Saiba mais sobre o personagem clicando aqui.